Pular para o conteúdo principal

[ séries ]

A minha intensidade não me permite assistir duas séries ao mesmo tempo porque preciso estar inteiramente conectada com a história e fazer todas as comparações possíveis, eu preciso associar o personagem tal a senhora que pega todos os dias o ônibus das 7:15 da manhã e que todos os dias ao sentar na cadeira preferencial, oferece lugar ao mesmo senhor, que parece flertar sem sucesso com ela.

Sim, eu preciso estar conectada a sinais, se é isso que a série propõe e por alguns meses ser fiel a cada sinal que surge e depois descobrir que na verdade os sinais tem muito mais a ver com a gente querer se desligar de alguma coisa e ou passado do que qualquer outra coisa, ou não...

Talvez eu só esteja confusa com o fato do colar ter estado tanto tempo sem foco e o guarda-chuva ter a cor amar-ela.

Na verdade, eu gosto das séries porque é fácil ter raiva de um autor que não seja deus ou sancho pança e depois sorrir com ele sem ficar lembrando de todos os vacilos do Ted ou do como foi legal ver que o Barney, ora ora, ele mesmo parou de ser tão desligado e agora te liga vez ou outra só pra saber do seu dia e ele não quer te levar pra cama.

Na verdade o Barney casa e a casa que a gente tinha planejado, bom, a casa que a gente tinha planejado é uma série que chegou ao fim.

Uma série que trouxe todas as histórias possíveis, que trouxe todas as reflexões possíveis e que fez você chorar várias vezes porque a vida não é um bar aberto todos os dias da semana, mas a vida é um brinde sempre que os seus amigos estão por perto!


E porque essa história toda sem sentido foi pra falar que hoje, o dia voltou a ficar triste sem o Marshall e Lily, mas que amanhã, antes da tristeza inteira voltar...

Eu vou ter começado outra série, nem que seja para comparar e sentir saudades!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

[ teimosia ]

Eu não gostei dela, pra falar a verdade eu não me apaixonei por ela, nem por suas manias ou o seu jeito tímido de sorrir e falar qualquer coisa, eu não me apaixonei por ela, nem pelo jeito dela segurar a minha mão, nem da forma que ela bancava a boba comigo, não, eu não gostei do cigarro dela, nem da mania dela de ficar sem graça com qualquer coisa, eu não me apaixonei pelas tatuagens dela ou pelo jeito dela se vestir, nem da mochila dela eu gostava, eu não gostava das suas histórias, nem dos seus atrasos e nem gostava do passado dela, não gostava das suas loucuras, dos seus medos, em nada eu gostava dela, exceto de toda essa mentira acima e do quanto me dói ter que juntar os cacos quando o medo atravessa a sala como uma pedra que destrói a porta do banco bradesco quando todo mundo grita fora temer.

É que eu não gostava dela, mas não gosto mesmo é de quem finge não gostar dela só por medo de ser amada como quem ama inteiro.

[ Não vim falar de amor ]

Escrever sempre foi uma forma bonita de conviver com meus próprios medos e por ter medo de deixar o passado ir, sempre me agarrei a escrever sobre ele, ele era o meu medo maior.
Quando ele se foi pela última ou primeira vez eu chorei por horas, porque todas as cartas que tinha escrito pra ele e todos os desejos inconfessáveis guardados para ele, à partir daquele momento, deixariam de existir em mim, porque o passado para mim não era uma roupa que não me servia mais.
O passado era uma dor que eu vestia e me agarrava para dar maior brilho e significado as alegrias do presente, o passado era uma conveniência que me fazia enfeitar os dias atuais...
E eu também gostava da ideia de que no meu passado chovia e me assustava com o meu presente árido de flores murchas.

Abandonar a escrita era a minha forma de abandonar o passado porque é impossível escrever de presente, quando escrevo agora, já passou. Já o passado não, o passado a gente pode eternizar, ele não se esvai como o agora, e de tão bonit…